O que são as ORPA direcionadas II?

24 de junho de 2016

As operações de refinanciamento de prazo alargado direcionadas (ORPA direcionadas) são um dos instrumentos de política monetária não convencionais do BCE. Através das ORPA direcionadas, o BCE concede empréstimos de longo prazo a bancos, oferecendo-lhes um incentivo para que disponibilizem mais crédito às empresas e aos consumidores na área do euro. Tal contribui para que a taxa de inflação regresse a níveis abaixo, mas próximo, de 2% no médio prazo. A primeira série de ORPA direcionadas foi lançada em 2014. A segunda série, introduzida em março de 2016, foi designada “ORPA direcionadas II”.

Os bancos participantes nas ORPA direcionadas II podem solicitar crédito num montante até 30% do saldo dos respetivos empréstimos a empresas e consumidores. Assim, os bancos que disponibilizam mais crédito à economia real podem solicitar empréstimos mais elevados e a uma taxa de juro mais baixa do que a normalmente oferecida pelo BCE. Serão realizadas quatro operações nos próximos 12 meses, tendo a primeira início em 29 de junho de 2016.

Qual é a diferença entre as ORPA direcionadas II e as operações de política monetária regulares?

Atuando como um banco para os bancos, um banco central disponibiliza liquidez aos bancos comerciais através de empréstimos. Normalmente, os bancos têm de reembolsar esses empréstimos no prazo de uma semana ou de três meses. É aqui que reside a principal diferença em relação às operações regulares: os empréstimos concedidos no âmbito das ORPA direcionadas II têm um prazo muito mais alargado – ou seja, quatro anos. Deste modo, é proporcionado aos bancos financiamento estável e fiável em alturas de incerteza no mercado.

Além disso, ao contrário das operações de política monetária regulares, o montante de liquidez que os bancos podem obter através das ORPA direcionadas II e o custo do crédito dependem do montante de empréstimos que disponibilizam à economia real.

Como é que estas operações ajudam os consumidores, as empresas e a economia?

Proporcionando incentivos para que os bancos concedam mais crédito, as ORPA direcionadas II encorajam os empréstimos às empresas e aos consumidores na área do euro, dinamizando, assim, a atividade económica. Por norma, a taxa de juro cobrada aos bancos pelos empréstimos corresponde à taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento. Nas ORPA direcionadas II, também assim é no início, mas o custo dos empréstimos depende do montante de crédito concedido pelos bancos participantes: se um banco melhorar suficientemente o montante de crédito disponibilizado à economia real, em vez de pagar juros, poderá recebê-los mediante o pagamento de uma taxa negativa. Essa taxa pode ser tão baixa como a taxa aplicável à facilidade permanente de depósito, que atualmente se situa em -0.4%.

As ORPA direcionadas II, a par das restantes políticas acomodatícias do BCE, apoiam a transmissão da política monetária à economia real. Tal ajuda o BCE a alcançar o seu objetivo primordial de manutenção da estabilidade de preços.