Produção e reservas de notas

A produção de notas de euro resulta do esforço conjunto dos bancos centrais nacionais e do BCE. O trabalho começa com o cálculo do número de notas para cada ano. É necessário produzir notas novas em quantidade suficiente para substituir as notas impróprias para circulação, satisfazer os aumentos esperados da procura (tais como picos sazonais) e dar resposta a aumentos inesperados da mesma. Os bancos centrais nacionais apresentam previsões da procura de notas de euro para o ano subsequente e o BCE realiza uma previsão central. Sob a supervisão do BCE, os bancos centrais nacionais redistribuem as notas, de forma a evitar casos de escassez ou de excedente num determinado país.

Impressão

A fim de garantir que as notas de euro sejam produzidas de forma eficiente, a impressão é partilhada entre os bancos centrais nacionais. O BCE atribui os volumes de produção a um conjunto de bancos centrais nacionais, os quais são, assim, responsáveis pelo fornecimento de uma proporção específica da produção anual para uma ou mais denominações. O banco respetivo suporta os custos de produção correspondentes à percentagem que lhe é atribuída. Por exemplo, os bancos centrais da Alemanha, França e Itália produziram 1,7 mil milhões de notas de €50 em 2017.

A produção de notas de euro está a cargo de 11 fábricas de notas de alta segurança, localizadas na Europa, sendo as notas depois distribuídas pelos diferentes bancos centrais nacionais.

Os acordos de produção partilhada e um sistema comum de controlo da qualidade asseguram padrões uniformes para todas as notas de euro. Ao longo do processo de produção, realizam-se centenas de testes manuais e automáticos para garantir que as notas impressas nas várias fábricas sejam idênticas.

Tal como a primeira série de notas de euro, a série “Europa” é impressa em papel de algodão, o que confere às notas uma firmeza e ligeira sonoridade especiais e maior resistência. Alguns elementos de segurança, como a marca de água ou o filete de segurança, são integrados nas notas durante o processo de fabrico do papel.

São utilizados diferentes tipos de chapas e tintas especiais, bem como vários processos: impressão em offset e em talhe doce, estampagem de hologramas e impressão serigráfica do elemento que muda de cor.

Reserva Estratégica do Eurosistema

O Eurosistema dispõe de reservas logísticas e de uma Reserva Estratégica. As reservas logísticas destinam-se a satisfazer a procura de notas em circunstâncias normais. São utilizadas para:

  • substituir as notas impróprias (de má qualidade) que são retiradas de circulação
  • fazer face a aumentos inesperados da circulação
  • responder a flutuações sazonais da procura
  • otimizar o transporte de notas entre as agências e delegações dos bancos centrais

A Reserva Estratégica destina-se a ser utilizada em circunstâncias excecionais, ou seja, quando as reservas logísticas do Eurosistema não forem suficientes para fazer face a um aumento inesperado da procura de notas de euro ou caso se verifique uma interrupção súbita da oferta.

As reservas logísticas e estratégicas garantem que os bancos centrais nacionais consigam dar resposta em qualquer momento a alterações na procura de notas, independentemente de a procura ser interna ou externa à área do euro.

Lidar com numerário faz parte do seu trabalho? Consulte o material informativo sobre as notas de euro.