União Europeia

 

Percurso da integração europeia (1950-2014)

The Treaty of Amsterdam, signed in October 1997

Após a Segunda Guerra Mundial, políticos de vários países europeus acreditam que uma união económica e política é a única forma de evitar outra guerra na Europa.


1950
Robert Schuman, o então ministro dos Negócios Estrangeiros francês, propõe a integração das indústrias do carvão e do aço da Europa Ocidental.
1951
Seis países criam a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA): Bélgica, França, Itália, Luxemburgo, Países Baixos e República Federal da Alemanha. Em 2002, tal como previsto, o Tratado CECA expirou ao fim de 50 anos.
1957
Assinatura dos Tratados de Roma, que criam a Comunidade Europeia da Energia Atómica (EURATOM) e a Comunidade Económica Europeia (CEE). O objetivo dos Estados-Membros é eliminar as barreiras alfandegárias e os entraves ao comércio entre si e formar um mercado comum.
1967
Fusão das instituições das três comunidades europeias (CECA, CEE e EURATOM). Criação de três novas instituições: a Comissão Europeia, o Conselho de Ministros e o Parlamento Europeu.
1970
No seguimento de uma decisão tomada em 1969 pelo Conselho Europeu (isto é, pelos Chefes de Estado ou de Governo dos Estados-Membros da CEE), o Relatório Werner define o primeiro projeto de uma união económica e monetária entre os então seis Estados-Membros da CEE. Por diversas razões, o plano falha no início da década.
1973
Adesão da Dinamarca, Irlanda e Reino Unido à CEE, que passa a ter nove Estados-Membros.
1979
Os governos e os bancos centrais dos nove Estados-Membros criam o Sistema Monetário Europeu (SME). A componente principal do SME é o mecanismo de taxas de câmbio (MTC), que introduz taxas de câmbio fixas, mas ajustáveis, entre as moedas dos países participantes.
1981
Adesão da Grécia à CEE.
1986
Espanha e Portugal passam a fazer parte da CEE.
1986
A ideia de uma união económica e monetária é retomada com o Ato Único Europeu.
1988
O Conselho Europeu confirma o objetivo da criação de uma União Económica e Monetária (UEM). Um comité de peritos presidido pelo então Presidente da Comissão Europeia, Jacques Delors, analisa possíveis formas de alcançar a UEM. No seu relatório (o Relatório Delors) é proposta uma transição em três fases.
1989
Têm início as negociações para o Tratado da União Europeia, que dá origem a União Europeia (UE) e altera o Tratado que institui a Comunidade Europeia. Inclui, em particular, disposições sobre a introdução da UEM e sobre a criação do BCE. É habitualmente designado por “Tratado de Maastricht”.
1992
É assinado o Tratado de Maastricht, que introduz novas modalidades de cooperação entre os governos dos Estados-Membros, nomeadamente em matéria de defesa e nos domínios da justiça e assuntos internos. Ao acrescentar esta cooperação intergovernamental ao sistema comunitário em vigor, o Tratado de Maastricht cria a UE.
1993
Entrada em vigor do Tratado de Maastricht, em 1 de novembro, após ratificação pelos 12 Estados-Membros.
1995
Adesão da Áustria, Finlândia e Suécia à UE.
1990-1999
A UEM é implementada em três fases.
2002
Introdução das notas e moedas de euro em 12 países da UE.
2004
Em 1 de maio, aderem à UE os seguintes dez países: Chipre, República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, Eslováquia e Eslovénia.
2007
Bulgária e Roménia passam a fazer parte da UE, em 1 de janeiro.
2009
Entrada em vigor do Tratado de Lisboa, em 1 de dezembro.
2011
Entram em funcionamento três novas autoridades europeias de supervisão financeira: a Autoridade Bancária Europeia, a Autoridade Europeia dos Seguros e Pensões Complementares de Reforma e a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados. As três autoridades trabalham em conjunto com o Comité Europeu do Risco Sistémico, também fundado em 2011, para assegurar a estabilidade financeira e melhorar o quadro de supervisão da UE.
2013
Adesão da Croácia à UE, em 1 de julho.
2014
BCE assume plenamente as suas atribuições e responsabilidades de supervisão dos bancos dos Estados-Membros participantes no Mecanismo Único de Supervisão. Sítio dedicado à supervisão bancária
Para mais informações, consultar o Portal da União Europeia.