Opções de procura
Home Sala de imprensa Notas explicativas Estudos e publicações Estatísticas Política monetária O euro Pagamentos e mercados Carreiras
Sugestões
Ordenar por
Ver a versão em língua inglesa desta página, para obter a informação mais atualizada disponível.

Perguntas e respostas sobre o reexame da estratégia

Sobre o que incide o reexame da estratégia?

Todas as economias precisam de uma moeda segura e estável. A principal função do BCE, enquanto banco central do euro, é assegurar a estabilidade de preços na área do euro.

Na tomada de decisões de política monetária, o BCE apoia-se numa estratégia de política monetária que estabelece as coordenadas, os métodos e as orientações em termos de políticas que lhe permitem cumprir o seu objetivo. Queremos garantir que a nossa estratégia é adequada e nos ajuda a cumprir o nosso mandato de manter os preços estáveis. Por conseguinte, em conjunto com os 19 bancos centrais dos países da área do euro, iniciámos um reexame da nossa estratégia. O reexame não incide sobre o que fazemos, mas sobre o modo como o fazemos.

Estamos a examinar:

  • o que entendemos exatamente por “estabilidade de preços”, ou seja, que taxa de inflação deveríamos visar
  • a forma como analisamos a economia, para assegurar que detetamos os riscos para a estabilidade de preços em tempo útil e compreendemos como as nossas decisões afetam os consumidores, as empresas, os mercados, os bancos, etc.
  • de que modo questões como o emprego, a inclusão social, as alterações climáticas e a estabilidade financeira também são relevantes na prossecução do nosso mandato
  • os instrumentos de política monetária que utilizamos, incluindo taxas de juro e compras de ativos
  • a forma como interagimos e comunicamos consigo, porque o euro é um bem público e pretendemos que todos os cidadãos entendam a nossa missão e as nossas decisões

Por que razão está o BCE a reexaminar agora a sua estratégia?

Desde o último reexame da nossa estratégia em 2003, ocorreram mudanças fundamentais na economia. O menor crescimento e o legado da crise financeira fizeram descer as taxas de juro, tornando mais difícil para o BCE e outros bancos centrais reduzir a restritividade da política monetária quando o crescimento económico é lento. Em resultado, o nosso conjunto de instrumentos foi alargado. Desenvolvimentos como a globalização, a digitalização, o atual envelhecimento da população e as alterações climáticas também colocam novos desafios à economia. Pretendemos tornar a nossa estratégia de política monetária tão eficaz quanto possível – agora e no futuro – neste enquadramento complexo e em mutação.

São vários os fatores que nos levaram a lançar um reexame.

Taxas de juro historicamente baixas – As taxas são baixas por diversas razões: o ritmo de crescimento das economias ao longo do tempo está a abrandar, o crescimento da produtividade (a eficiência com que trabalhamos) nas economias mais avançadas é mais lento e a população está a envelhecer. O abrandamento da produtividade e a diminuição da população ativa fazem descer as taxas de juro. Uma população envelhecida poupa mais dinheiro, o que reduz ainda mais as taxas de juro.

Limites à redução das taxas de juro – Tradicionalmente, os bancos centrais aumentam as taxas de juro quando a inflação é demasiado elevada. Quando a inflação é demasiado baixa, as taxas de juro são reduzidas para apoiar a atividade económica. As atuais taxas de juro estão próximo de zero ou são mesmo negativas, tornando mais difícil para o BCE e outros bancos centrais reduzir as taxas de juro da forma habitual durante períodos de crescimento lento e inflação baixa. Foram definidos novos instrumentos – medidas de política monetária não convencionais, como os programas de compra de ativos – para responder a estes limites e assegurar a estabilidade de preços.

Alterações climáticas, globalização, digitalização acelerada e mutação das estruturas financeiras – Estas tendências podem ter efeitos inesperados no mundo, na forma como a economia funciona e, portanto, também na nossa política monetária.

Qual é o calendário do reexame da estratégia?

Lançamos o reexame em 23 de janeiro de 2020. A conclusão do reexame da estratégia foi adiada do final de 2020 para o segundo semestre de 2021, devido à pandemia de coronavírus.

Como podem os cidadãos dar a sua opinião?

Como parte do reexame da estratégia, estamos a recolher as perspetivas de um leque amplo de partes interessadas. Pretendemos conhecer melhor as expectativas e as preocupações das pessoas, a fim de identificar a melhor forma de cumprir o nosso mandato de manter a estabilidade de preços.

Os cidadãos tiveram a oportunidade de partilhar as suas opiniões através do portal “O BCE escuta” até ao final de outubro de 2020.

Relatório de síntese das respostas recebidas através do portal “O BCE escuta”

Organizámos uma série de conferências e seminários em toda a área do euro e os bancos centrais nacionais continuam com os seus eventos. Queremos ouvir as perspetivas de todos, incluindo do público em geral e de organizações da sociedade civil.

Relatório de síntese da avaliação intercalar Mais informação sobre os eventos nacionais

Como é que o reexame da estratégia afetará a política monetária atual?

A avaliação da política monetária do BCE, realizada de 6 em 6 semanas, permanecerá separada do reexame da estratégia – trata-se de dois exercícios diferentes. O objetivo do reexame é assegurar que a estratégia de política monetária do BCE continua a ser adequada nos próximos anos. Entretanto, o Conselho do BCE continuará a acompanhar a evolução da economia e da inflação e a tomar decisões, conforme apropriado.

A nossa estratégia de política monetária atual

Porque dizem que o reexame não é sobre o que o BCE faz, mas sobre a forma como o faz?

O nosso objetivo está definido nos tratados da União Europeia (UE). Por conseguinte, o reexame abrange todos os aspetos da nossa estratégia de política monetária, nos termos do mandato que nos foi conferido. Estamos a ser rigorosos na nossa avaliação e a abordar o exercício com abertura de espírito.

Tratados da UE

O reexame também alterará a forma como o BCE supervisiona os bancos?

O reexame da estratégia cobre diferentes aspetos da nossa política monetária e não abrange a função de supervisão bancária do BCE. O modo como supervisionamos as instituições de crédito é independente da forma como conduzimos a política monetária.

Supervisão bancária

Como posso manter-me a par do reexame da estratégia?

Informaremos regularmente sobre o processo de reexame da estratégia nas conferências de imprensa do BCE, que têm lugar a cada 6 semanas e são transmitidas em direto através da Internet, no nosso sítio Web e nos nossos canais nas redes sociais.

Página inicial do reexame da estratégia Conferências de imprensa Canais do BCE nas redes sociais

Partilharão as contribuições recebidas nos exercícios de interação realizados durante o reexame?

Sim. Publicamos sínteses dos comentários recebidos nos exercícios de interação nos nossos canais digitais. Veja os relatórios abaixo, que resumem o que ouvimos até agora.

Relatório de síntese das respostas recebidas através do portal “O BCE escuta” Relatório de síntese da avaliação intercalar

Quando ocorreu o anterior reexame da estratégia?

A estratégia de política monetária inicial do BCE foi definida em 1998, o ano em que o BCE entrou em funcionamento. Avaliámos e clarificámos essa estratégia em 2003.

Outros bancos centrais também reexaminam as suas estratégias?

Sim, outros bancos centrais também procedem a reexames da estratégia. Por exemplo, nos Estados Unidos, o Sistema de Reserva Federal iniciou um reexame em 2019, o qual está agora concluído. O banco central do Reino Unido anunciou, em janeiro de 2020, um processo de reexame com a duração de um ano. O banco central do Canadá reexamina o seu objetivo para a inflação de 5 em 5 anos.

Procura mais informação sobre o reexame da estratégia?