European Central Bank - eurosystem
Opções de pesquisa
Página inicial Sala de Imprensa Notas explicativas Estudos e publicações Estatísticas Política monetária O euro Pagamentos e mercados Carreiras
Sugestões
Ordenar por
Christine Lagarde
The President of the European Central Bank
Fatih Birol
Executive Director of the International Energy Agency
Werner Hoyer
President of the European Investment Bank
  • BLOGUE DO BCE

Chegou a hora de tornar a economia europeia resiliente às alterações climáticas

24 de novembro de 2023

Por Fatih Birol, diretor executivo da Agência Internacional de Energia, Werner Hoyer, presidente do Banco Europeu de Investimento, e Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu

Esta publicação é a primeira de uma série por ocasião da COP 28

Para continuar a ser competitiva no mundo, a Europa tem de avançar com a transição ecológica. Além de serem melhores para o ambiente, as novas tecnologias e a energia verde também fazem sentido do ponto de vista económico. Contudo, para ser bem‑sucedida, a transição tem de ser justa e inclusiva.

As alterações climáticas estão a acelerar. O tempo de que dispomos para limitar o aquecimento global a 1,5 °C está a esgotar‑se. Podemos dar o nosso contributo, no âmbito dos nossos mandatos, ou sofrer as graves consequências da nossa inação.

Enquanto os decisores de políticas, os líderes empresariais e a sociedade civil se preparam para as negociações sobre o clima na Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (COP 28), no Dubai na próxima semana, 2023 será, quase de certeza, o ano mais quente desde que há registos. Incêndios florestais, secas e inundações extremos estão a ter um impacto devastador em termos humanos e económicos em todo o mundo. Os dados são claros: uma análise do Banco Central Europeu revela que quanto mais tempo esperarmos para reduzir as emissões e transitar para uma economia mais ecológica, mais elevados serão os custos. O Inquérito ao Investimento de 2023 do Banco Europeu de Investimento indica que duas em cada três empresas europeias já estão a sofrer prejuízos e perdas devido às alterações climáticas.

Ao mesmo tempo, as fontes de energia em que as nossas economias assentam estão a mudar e a transição energética está a avançar rapidamente. A combinação de políticas, de inovação, de tarifação do carbono e de financiamento público e privado – nomeadamente através do Pacto Ecológico Europeu – está a acelerar o investimento em tecnologias que ajudarão a atenuar a degradação causada pela continuação da utilização de combustíveis fósseis e pelo persistente aquecimento global.

As despesas com energias limpas a nível mundial estão a quebrar recordes, como indica o relatório sobre as perspetivas energéticas mundiais (o World Energy Outlook) da Agência Internacional de Energia. Esta mudança para energias limpas não é motivada apenas por boa vontade. Também faz sentido do ponto de vista económico. Atualmente, é mais barato e mais rápido utilizar energias renováveis do que construir infraestruturas novas para combustíveis fósseis. Num mundo marcado pelo aumento da incerteza geopolítica, as tecnologias de energia limpa ajudam a reforçar a segurança e independência energéticas dos países.

A transição ecológica é importante não só para proteger o ambiente, mas também para proteger a economia. Não faz sentido, do ponto de vista económico, investir em fontes de energia que estão a tornar‑se cada vez menos competitivas e não aproveitar avanços tecnológicos que irão definir o cabaz energético do futuro. Se a Europa não aderir à revolução energética mundial, a sua competitividade será irremediavelmente prejudicada.

A Europa precisa de ter uma visão clara e de ser ambiciosa e determinada, para evitar esse resultado. Precisa de criar um quadro regulamentar estável e favorável, com objetivos estratégicos bem definidos, em que o capital privado é firmemente orientado para tecnologias ecológicas. São também necessárias condições de concorrência equitativas a nível mundial para permitir o desenvolvimento da inovação.

Instrumentos de financiamento como as obrigações verdes emitidas pela União Europeia ajudarão a financiar avanços das tecnologias limpas e teriam ainda mais força numa união dos mercados de capitais plenamente concluída. Soluções de financiamento “à medida” ou garantias especificamente para mitigar o risco de investimentos privados altamente inovadores – como parques eólicos flutuantes, hidrogénio verde ou novas tecnologias de baterias – ajudarão a implantar a infraestrutura de que a Europa necessita para atingir a neutralidade carbónica. A nível mundial, a tarifação do carbono proporcionaria transparência, com vista a levar os consumidores e os investidores a preferirem produtos e ativos sustentáveis e eficientes do ponto de vista energético.

No entanto, a atuação da Europa, por si só, não é suficiente. A não ser que outros também tomem medidas, todos nós fracassaremos. Iniciativas como o Pacto Ecológico Europeu devem ser associadas a políticas de desenvolvimento ambiciosas, que apoiem as regiões em desenvolvimento fora da Europa na adoção de fontes de energia limpas. Os investimentos em tecnologias de ponta europeias podem fazer – e farão – toda a diferença.

Na transformação da nossa economia, temos de garantir que ninguém é deixado para trás. A Europa tem de zelar por uma transição justa, inclusiva e equitativa. As políticas relativas às alterações climáticas e à transição podem ter um impacto mais duro nas empresas e famílias mais vulneráveis. São necessárias medidas orçamentais temporárias bem direcionadas e iniciativas de requalificação profissional para repartir equitativamente os encargos da transição.

Face aos desafios económicos, as políticas climáticas são frequentemente vistas como “bode expiatório”. A inação teria, porém, consequências muito piores. A resposta não é reduzir a nossa ambição, mas sim libertar todo o potencial de quem inova, tornando a economia europeia mais competitiva e resiliente e garantindo um futuro mais justo e mais sustentável para todos.

A COP 28 é uma oportunidade para a União Europeia e países de todo o mundo demonstrarem que estão empenhados em liderar a luta contra as alterações climáticas e em provar essa determinação com medidas concretas. No âmbito dos nossos mandatos, participaremos nesse esforço coletivo.

O presente texto foi publicado também como artigo de opinião em vários jornais europeus.

Explore as publicações do Blogue do BCE e subscreva‑o para ler futuros artigos.