Requisitos mínimos para a verificação automática da qualidade das notas de euro por máquinas de tratamento de notas

As notas de euro que, durante a verificação da qualidade, apresentem qualquer defeito face aos requisitos mínimos a seguir descritos são consideradas impróprias para circulação.

Na verificação da qualidade por máquinas de tratamento de notas, o nível de tolerância aceitável é de 5%. Tal significa que, do total de notas de euro que não satisfazem os critérios de qualidade, é permitido que, no máximo, 5% sejam impropriamente classificadas pelas máquinas como aptas para circulação.

QUADRO 1: LISTA DOS CRITÉRIOS DE ESCOLHA APLICÁVEIS À VERIFICAÇÃO AUTOMÁTICA DA QUALIDADE DAS NOTAS DE EURO
Defeito Definição
1. Sujidade Manchas de sujidade visíveis em toda a nota
2. Mancha Concentração localizada de sujidade
3. Grafíti Alteração gráfica da nota, mediante a adição de letras ou imagens por qualquer meio
4. Descoloração Ausência de cor numa parte ou em toda a nota, por exemplo, numa nota lavada
5. Rasgo Elucidativo, por si só
6. Buraco Elucidativo, por si só
7. Mutilação Parte(s) da nota em falta, pelo menos, numa das bordas (ao contrário do que acontece com os buracos)
8. Reconstituição Partes de uma ou mais notas unidas com cola, fita‑cola ou por outros meios
9. Amarrotado/rugas/pregas Múltiplos vincos e pregas
10. Perda de firmeza Deterioração do próprio papel, que resulta numa falta acentuada de firmeza
11. Dobra Elucidativo, por si só
12. Canto dobrado Elucidativo, por si só

Informação adicional sobre os critérios de verificação da qualidade

Sujidade

A sujidade aumenta a densidade ótica das notas de euro. A tabela seguinte especifica o aumento máximo de densidade das amostras de referência (em comparação com notas novas) que as notas de euro podem apresentar para serem consideradas aptas a circular.

QUADRO 2: NÍVEIS DE DENSIDADE ÓTICA
Denominação – Série Aumento máximo de densidade da amostra de referência em comparação com uma nota de euro nova Filtro
€5 – ES2 0,04 Magenta
€10 – ES2 0,04 Magenta
€20 – ES2 0,07 Magenta
€50 – ES2 0,07 Magenta
€100 –ES2 0,07 Magenta
€200 –ES2 0,07 Magenta
€5 – ES1 0,06 Magenta
€10 – ES1 0,06 Magenta
€20 – ES1 0,08 Magenta
€50 – ES1 0,07 Magenta
€100 – ES1 0,07 Magenta
€200 – ES1 0,04 Magenta
€500 – ES1 0,04 Magenta

As notas de euro que não satisfaçam estes critérios não estão aptas a circular. Para efeitos de referência, os bancos centrais nacionais dispõem de um conjunto de notas de euro com os graus de sujidade correspondentes a estes valores. As medidas densitométricas das notas de euro de referência assentam nos critérios a seguir indicados.

  • Norma para a medição da densidade: ISO 5, partes 3 e 4
  • Norma para os filtros: DIN 16536
  • Medições absolutas: calibração normalizada (referência branca)
  • Filtro de polarização: ativado
  • Abertura: 3 mm
  • Iluminação: D65/2
  • Fundo: calibração normalizada com referência branca

O aumento de densidade de uma nota de referência consiste no valor mais elevado entre as médias de, pelo menos, quatro pontos de medição, medidos na frente e no verso da nota, na área não impressa, e sem qualquer modulação de marca de água.

Mancha

As notas de euro com uma concentração localizada de sujidade que cubra uma superfície mínima de 9 mm x 9 mm da área não impressa, ou de 15 mm x 15 mm da área impressa, são impróprias para circulação.

Grafíti

Atualmente, não existem requisitos obrigatórios para a deteção de grafíti. 

Descoloração

A descoloração das notas de euro pode ocorrer, por exemplo, quando as notas são lavadas ou submetidas à ação de agentes químicos agressivos. Este tipo de notas de euro impróprias pode ser identificado através de detetores de imagem ou de ultravioletas.

Rasgo

As notas de euro com rasgos abertos e não parcial ou totalmente cobertos pela(s) correia(s) de transporte são classificadas como impróprias se o tamanho do rasgo for maior do que o abaixo indicado:

QUADRO 3: RASGO
Direção Altura Comprimento
Vertical 4 mm 8 mm
Horizontal 4 mm 15 mm
Diagonal 4 mm 18 mm*

Buraco

As notas de euro com buracos não parcial ou totalmente cobertos pela(s) correias(s) de transporte são classificadas como impróprias se a área do buraco for superior a 10 mm2.

Mutilação

As notas de euro a que faltem 6 mm ou mais de comprimento, ou 5 mm ou mais de altura, são classificadas como impróprias para circulação. Todas as medidas dizem respeito a diferenças em relação às dimensões nominais das notas de euro.

Reconstituição

A reconstituição de uma nota ocorre quando partes de notas de euro são unidas com, por exemplo, cola ou fita‑cola. Uma nota de euro com uma área de mais de 10 mm x 40 mm coberta com fita-cola e com uma espessura superior a 50 µm é imprópria para circulação.

Amarrotado/rugas/pregas

As notas de euro amarrotadas (com vincos, rugas ou pregas) podem normalmente ser identificadas pelo reduzido grau de refletância ou de firmeza do papel. Não existem requisitos obrigatórios.

Perda de firmeza

As notas de euro muito moles devem, na medida do possível, ser classificadas como impróprias para circulação. O grau de firmeza do papel das notas de euro está normalmente relacionado com a sujidade, pelo que os detetores de sujidade, em regra, também detetam as notas moles. Não existem requisitos obrigatórios.

Dobra

Devido ao seu reduzido comprimento ou altura, as notas de euro dobradas podem ser identificadas por detetores que verificam as suas dimensões, ou pelos detetores de espessura. No entanto, devido a limitações técnicas, somente as dobras que cumpram os critérios estipulados para as notas mutiladas (ou seja, dobras que resultam numa redução do comprimento superior a 6 mm ou numa redução da altura superior a 5 mm) podem ser detetadas, sendo as notas classificadas como impróprias para circulação.

Canto dobrado

Uma nota de euro com um canto dobrado, cuja área seja superior a 130 mm2 e o lado mais pequeno tenha um comprimento superior a 10 mm, é identificada como imprópria para circulação.

* Para a medição, é necessário desenhar uma linha reta desde a extremidade interna do rasgo até ao lado da nota onde começa o rasgo (projeção retangular), em vez de se medir o comprimento do rasgo em si.