Sustentabilidade

Sustentabilidade da construção

Fachada de vidro

© Robert Metsch

A sustentabilidade da construção tem em conta não só questões ambientais, a eficiência técnica e requisitos funcionais, mas também a regeneração urbana e aspetos sociais.

Processo de conceção integrado

Em 2002, no âmbito do concurso internacional de planeamento urbanístico e projeto de arquitetura para a sua futura sede, o BCE definiu o programa funcional e espacial e estabeleceu objetivos específicos em termos do consumo de energia. Explicou igualmente as condições do local e da área envolvente.

Uma das principais mensagens transmitidas aos arquitetos participantes no concurso foi a de que se pretendia um processo de conceção integrado. Consequentemente, os arquitetos teriam de trabalhar em conjunto com um engenheiro de estruturas e um especialista na área da energia e climatização desde o início, com vista a otimizar a eficiência energética e a sustentabilidade dos edifícios. O projeto de arquitetura para a futura sede do BCE tinha, portanto, de assentar nos princípios da sustentabilidade e da máxima eficiência, tomando em conta aspetos económicos, ecológicos e sociais, os quais seria necessário ponderar face a futuros custos operacionais, de manutenção e energéticos. Durante o concurso e em todas as fases do processo de avaliação, a eficiência energética do projeto e as questões relacionadas com a sustentabilidade foram alvo de consideração especial.

Regeneração urbana

Um dos elementos da sustentabilidade é a regeneração urbana. Nessa medida, a área predominantemente pavimentada em torno do edifício do Großmarkthalle, onde os camiões costumavam estacionar e descarregar, será objeto de intervenção paisagística e transformada numa área verde de considerável dimensão. Em conjunto com outros parques da zona – tais como o GrünGürtel (a cintura verde de Frankfurt) e o Mainuferpark (um parque ao longo das margens do rio Meno), bem como o futuro Hafenpark (um novo parque que será consagrado ao tema “desporto e movimento”) e o Ostpark (o parque da zona leste de Frankfurt, conhecida como “Ostend”) –, a nova área verde contribuirá para o desenvolvimento de um “pulmão verde” na cidade de Frankfurt.

Reciclagem

No verão de 2008, foram levadas a cabo obras de construção preliminares com vista a preparar o terreno para as obras de construção principais. Os trabalhos iniciais consistiram na remoção de terra, a qual teve de ser sujeita a análise antes de ser transportada do local e eliminada da forma mais ecológica possível. Seguiu-se a demolição tijolo a tijolo dos dois edifícios anexos ao Großmarkthalle (dois blocos de apartamentos de quatro andares), a fim de permitir que cada tijolo pudesse ser individualmente limpo e guardado para reparação das áreas danificadas da fachada do edifício do Großmarkthalle.

As linhas férreas existentes no local foram cuidadosamente removidas, tendo a maior parte sido enviada para o Härtsfeld-Museumsbahn (uma associação ferroviária em Baden-Württemberg), que agora utiliza os carris para excursões de comboio a vapor durante os meses de verão.

Sustentabilidade e reutilização

A reutilização e conversão do Großmarkthalle, que passará a ser parte integrante das novas instalações do BCE, contribuirão também para a sustentabilidade do projeto de arquitetura global. Ao adquirir o terreno, o BCE concordou em preservar a traça fundamental do edifício do antigo mercado. Com vista a assegurar a recuperação adequada do edifício, o BCE trabalhou em estreita cooperação com as autoridades locais, em particular os organismos responsáveis pela preservação do património histórico e pela conservação de energia da Câmara de Frankfurt am Main e do estado de Hessen. Graças a esta colaboração foi possível, por exemplo, conceber janelas novas para o edifício mais eficientes em termos energéticos, mas com um perfil idêntico ao das janelas originais, em conformidade com os requisitos estabelecidos pelas autoridades de preservação histórica.